gente que escreve

A mulher negra, dessas que não se consegue adivinhar a idade, subia a ladeira íngreme e estreita com um filho no colo. O cansaço quase insuportável estava impresso em seu rosto suado. O bebê ia protegido do sol forte por um pano branco. Cruzei com ela quando voltava do almoço, …

Uma ladra esperta, esta chamada Tristeza. Te rouba o sono, os sonhos, os planos, o riso e até alguns quilos… e tudo com a sua permissão. A gente vai deixando, …

O colarinho da camisa está amarelado, mais até do que a pele de crianças com icterícia. Pensa em abrir os botões que prendem os punhos, mas já desiste para apanhar a …

Ao passar pelo portão de ferro, o menino se surpreendeu com o colorido das flores artificiais dentro de vasos de plástico, também coloridos. Sobre todos os túmulos, dos mais simples …

Hoje eu me envergonho disso, mas demorei bastante tempo para admitir que era feminista, como se admitir isso fosse doentio, descabido ou um erro grave de compreensão social. Eu justificava …

O  Cementerio de La Recoleta, no coração de Buenos Aires, era a vista que me oferecia a janela do hotel no qual me hospedei. Da vidraça podia imaginar o que …

Na manhã de 11 de setembro de 2001, em uma sala de reuniões do Sindicato dos Jornalistas no Estado de São Paulo, ali no começo da rua Rego Freitas, eu …

A primeira informação da existência do Continente Africano, para boa parte da população ocidental contemporânea, foi através de uma ou mais das 24 obras literárias, dezenas de gibis e meia …

Eu cobria o São Paulo pela Folha da Tarde, hoje Agora São Paulo. Estava em ótima fase como repórter e o São Paulo em excelente fase como time. Acabara de …

Back